Energia nuclear e emergência nuclear

Nunca é demais saber o que nos diz a ciência sobre a energia nuclear… O artigo também nos alerta para os cuidados que devemos ter em caso de emergência nuclear. Previna-se!

Energia Nuclear – O que sabemos?

Através de dois processos de alto rendimento: a fissão nuclear e a fusão nuclear.

FISSÃO NUCLEAR – A palavra fissão significa uma cisão, quebra, fragmentação ou divisão. Designa-se por fissão nuclear a reação nuclear na qual um núcleo pesado (tal como o de urânio) se divide em duas partes de igual grandeza (produtos de fissão), acompanhada da emissão de dois ou três neutrões e radiações, e durante a qual se liberta uma enorme quantidade de energia (energia de fissão).

A descoberta da fissão nuclear ocorreu em 1938 quando o físico Otto Hahn (1879-1968) e colaboradores realizaram o bombardeamento de um núcleo de Urânio-235 (23592U) com neutrões moderados. Constatou-se a presença de bário-56 (13956Ba) como produto desse bombardeamento.

Lise Meitner (1878-1968), foi a primeira a usar a expressão “fissão nuclear” para explicar esse fenómeno tendo constatado que o núcleo do átomo de urânio, que é instável, ao sofrer o bombardeamento com neutrões moderados, fragmenta-se praticamente ao meio e origina dois núcleos médios, dois ou três neutrões e energia, tal como é apresentado pela equação seguinte:01n + 92235U ? 13956Ba + 3695Kr + 2 01n + energia

Assim, a fissão nuclear corresponde à fragmentação de um núcleo atómico pesado e instável quando é bombardeado por neutrões, originando dois núcleos menores, neutrões e uma quantidade enorme de energia. Os neutrões libertados podem, por sua vez, atingir outros núcleos de urânio, iniciando novamente o processo de fissão que continuará a multiplicar-se de modo espontâneo e rápido. Designa-se este processo por reação em cadeia.

m.manualdaquímica.com

A fissão só ocorre com o isótopo 235 do urânio e para que a reação ocorra em cadeia libertando uma grande quantidade de energia num intervalo de tempo muito pequeno, é necessária uma quantidade mínima de material fissionável, denominado por massa crítica.

O fenómeno de fissão nuclear foi utilizado como parte fundamental do projeto Manhattan (projeto que conduziu à elaboração da bomba atómica). Atualmente, a cisão nuclear é utilizada para a obtenção de energia em reatores nucleares. Um dos países que mais investe na obtenção de energia nuclear é a França, com 70% do seu abastecimento proveniente dessa fonte de energia.

FUSÃO NUCLEAR – Processo a partir do qual dois núcleos atómicos se unem e formam um terceiro mais pesado. O processo de fusão é acompanhado pela libertação de grandes quantidades de energia. A luz e o calor provenientes do nosso astro rei – o SOL, a estrela do nosso sistema, é um exemplo de reação de fusão nuclear.

A fusão funciona com base no princípio de que a energia pode ser libertada forçando núcleos atómicos uns contra os outros em vez de dividi-los, como no caso das reações de fissão que geram energia nas centrais nucleares atuais. No núcleo do Sol, enormes pressões gravitacionais permitem que a fusão ocorra a temperaturas de 10 milhões de graus Celsius. Em zonas com pressões muito mais baixas, como o caso da Terra, as temperaturas necessárias para produzir a fusão precisam ser muito mais altas — acima de 100 milhões de graus Celsius. Não existem materiais que possam resistir ao contacto direto com esse calor. Para conseguir a fusão no laboratório, os cientistas criaram uma solução na qual um gás superaquecido, ou plasma, é mantido dentro de um campo magnético em forma de rosca.

A Joint European Torus (JET), localizada em Culham, Oxfordshire, é pioneira na abordagem de fusão há quase 40 anos. E, nos últimos 10 anos, o equipamento foi configurado para replicar a configuração do ITER.JO projeto ITER (International Thermonuclear Experimental Reactor, ou Reator Experimental Termonuclear Internacional), no sul da França, é apoiado por um consórcio de governos, incluindo Estados Unidos, China, Rússia e membros da União Europeia. Espera-se que este seja o último passo para provar que a fusão nuclear possa fornecer energia confiável na segunda metade deste século.

Se quiser aprofundar o seu conhecimento relativamente a esta temática (re)veja o último programa da Grande Entrevista, na RTP1, com o Professor Doutor Engenheiro António Costa e Silva.

Tem a informação necessária de como se deve proteger no caso de uma emergência radioativa/nuclear?

noticias.r7.com

Tome conhecimento de alguns procedimentos que poderão ser úteis no caso de um acidente Nuclear:

Vá para o subsolo. Uma Cave oferece maior proteção contra partículas nucleares do que qualquer andar de uma construção. Feche as janelas e as chaminés, calafetando-as;

desligue o aquecimento e/ou ar-condicionado, tomando outras iniciativas adicionais, como por exemplo desligar o gás e o contador da eletricidade. Tenha, igualmente, em seu poder todos os documentos essenciais a sua identificação e sobrevivência. Quanto mais grossas forem as paredes, melhor. Materiais densos – inclusive livros – oferecem maior proteção.

– Monte um kit de emergência/sobrevivência com água, alimentos não perecíveis e sem necessidade de confeção, como por exemplo: enlatados, bolachas, barras de cereais, chocolates, rebuçados; – medicamentos SOS e material de primeiros socorros. Garanta também que este kit contenha: telemóvel carregado no máximo, fósforos, velas, navalha, papel, canetas, lanternas, aparelhos de rádio e pilhas, abre latas, lenços humedecidos e apitos para pedir ajuda. 

– Crie com a sua família e amigos, maneiras de entrar em contacto uns com os outros em rede para o caso de emergência e marque um ponto de encontro para todos. 

– Pergunte às autoridades responsáveis (PSP, GNR e Proteção Civil), se há abrigos na sua região. Se não houver nenhum nas redondezas, pesquise lugares que podem servir como abrigos temporários, como: caves, túneis ou até estações de metro. 

–  Prepare-se para ficar dentro do abrigo pelo menos durante 24 horas depois do ataque. Nas áreas mais próximas da explosão, poderá ser necessário ficar neste durante um mês, de acordo com o grau de contaminação. 

– Se estiver dentro de alguma construção quando o dispositivo cair, não olhe para a explosão – esta pode causar cegueira momentânea e/ou irreversível. Deite-se no chão e cubra a sua cabeça. No caso de explosão ocorrer a grande distância, pode demorar 30 segundos para a onda de choque chegar até si. 

– Se estiver desabrigado, procure abrigo de imediato. Retire todas as roupas para evitar que o material radioativo se espalhe. Para esta situação convém ter muda de roupa devidamente acondicionada. Só esse passo pode evitar 90% da contaminação.

Se quiser aprofundar a temática da energia nuclear, consulte o seguinte documento.